Sobre

O surgimento da  Aflaup -Associação de Flautistas de Portugal  corresponde a uma aspiração e uma necessidade antigas. Foi um projecto longamente pensado, conversado e amadurecido num círculo de flautistas integrando gerações distintas, representantes de diversas instituições. Constituiu-se finalmente uma comissão instaladora, que decidiu meter mãos à obra e pés ao caminho.

Dois acontecimentos recentes inspiraram e potenciaram a génese da Aflaup: Os Encontros Luso-Brasileiros de Flauta (2013) e a Convenção da AFE – a nossa congénere espanhola – em Sevilha (2014). A qualidade, o impacto, a dimensão e a forma como decorreu cada uma destas iniciativas foi demonstrativa da capacidade organizativa e mobilizadora, da maturidade da AFE, no terreno há vários anos, e de um enorme potencial associativo, em Portugal.

O excelente relacionamento com a AFE e a sua direção, com outras associações espanholas como os “Caballeros del Transverso”  e a Associação de flautistas da Andaluzia,  assim como o encorajamento e a informação que fomos recebendo de várias associações e personalidades  por esse mundo fora,  foram muito importantes e motivadoras  neste processo.

Duas datas marcaram os inícios: a 22 de Abril 2015 foi efetuado o registo legal da Aflaup e a 30 de Maio realizou-se a 1ª Assembleia Geral, nas instalações do Conservatório de Música do Porto, tendo sido aprovados os estatutos e regulamento interno e eleitos os corpos sociais.

Os objectivos e o âmbito das atividades da Aflaup são alargados, estão definidas nos seus estatutos e no essencial não são diferentes das formulações de muitas outras associações de flautistas actualmente activas a nível global, quase só diferindo no formato legal padronizado, adoptado em Portugal para as associações culturais sem fins lucrativos.

As primeiras actividades da Aflaup realizaram-se e estão programadas no Conservatório de Música do Porto, instituição que nos apoiou desde os primeiros passos e tem condições óptimas para o que se pretende. Contudo, dada a vocação nacional da Associação e a dispersão geográfica, por todo o território, da residência e local de trabalho de muitos associados (e da própria direcção, assim como dos corpos sociais), é provável e desejável que se organizem grupos de trabalho locais que apresentem propostas e apoiem a direcção da Aflaup em projectos de interesse para a classe, em diversos locais.

A realização de grandes Encontros e a criação de uma super Orquestra de Flautas, em momentos específicos, integrando os vários pequenos núcleos que já existem isoladamente no terreno, ou se venham a formar entre os associados, é um exemplo do que queremos e podemos fazer, juntos…

Luís Meireles

Presidente da Direcção